quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Salada Russa


Quando eu era menor, era comum a pergunta: -Você é descendente do quê?

Lembro que um amigo meu ,era, metade italiano metade espanhol, outro era metade italiano metade português, e que tive amigas "japonesas" que não tinham misturas e que eu dizia que elas
eram de raça, já eu sempre fui vira-lata. Até hoje se eu tiver que explicar, não vou
conseguir, quantos por cento de quê eu sou. Sei que tenho italiano, português,
espanhol, francês , parece que tenho inglês, judeu e russo, e o Campregher que eu
dizia ser alemão, virou austriaco, suiço, italiano e voltou a ser alemão... Por isso não
sei, fica mais fácil dizer o que não tenho.

Minha avó paterna tinha os dois pais, (meus bisavós) filhos de italianos, e é ainda, esse
o lado da família que tenho mais contato. Eu não falo alto e gesticulando e nem gosto tanto
de macarrão, mas esse pedaço da família tem boas histórias então resolvi contar uma aqui, do
jeito que me lembro, com direito a erros e um pouco de liberdade artística, rs.


Há mais de 70 anos atrás meu bisavô José, casou com minha bisavó Dária. Ele era um
"italiano do norte" alto, loiro de olhos azuis, falante e animado. Minha bisavó era uma
"italiana do sul" morena, baixinha e quietinha, quem já assistiu o Quatrilho vai ter mais
facilidade em imaginá-los. Pois bem, os dois tiveram um bom casamento, se davam bem e tinham
filho atrás de filho, foram 11 no total,todos com menos de dois anos de diferença.

Se tem algo que este lado da minha família não gosta são os portugueses, óh os portugueses, como são ruins, maldosos, trapaçeiros...
se te chamarem de português, é sinal que no MÍNIMO te acham burro.


Uma parte legal de ter vários filhos, deve ser escolher os nomes, é uma das melhores partes, demorei meses para escolher o nome do meu, e ainda gosto de pensar em nomes para bebês, nomes para meninas, meninos, nomes bonitos, diferentes, com um significados interessantes.

Hoje quando penso em um nome legal, entro na internet e busco na hora o significado origem e tal, quando eu estava grávida dei uma procurada em um livro de nomes, imagino que minha bisavó contava com bem menos recursos na época.


A primeira filha chamou Dirce, minha avó Lourdes, teve Adail, Luci, Darci, Gelson, Gilse e assim foi indo, até o nono filho.
Nasceu um menino, e minha avó quis por o nome de de Vitório Carlos, mas quem registrava era meu bisavô. Não sei bem o que aconteceu, se ele havia bebido um pouco, ou o quê, mas quando levou o menino para registrar, esqueceu o nome, forçava para lembrar e nada, então pediu ajuda ao escrivão, como é mesmo o nome daquele rei da Itália? -Vitório Manuel, respondeu o moço.
-Isso! Vitório Manuel Roncada, pode registrar.


Meu bisavô chegou em casa e minha bisavó viu a certidão, não imagino a briga que foi, mas dizem que foi das grandes! Mas não deve ter sido tão ruim assim, se tiveram depois desse mais dois filhos. Até hoje meu tio é o Carlos, ou Carlinhos, contei a pouco tempo essa história para o meu primo e ele nem desconfiava que o nosso tio na verdade é Manuel. Onze filhos de dois italianos que tem pavor de portugueses, lá no canto escondidinho, um Manuel!

Na foto meus bisavós.

4 comentários:

Marcela Prado disse...

pq nao vitorio? pq insistiram no carlos?
nao entendi.
vitorio é tão bonito.

.leticia santinon disse...

Eu também prefiro Vitorio, e acho engraçado eles optarem por um nome que não existe do que utilizar este.

Nathy Roncada disse...

Aaiaia.. realmente Carol, essa familia rende cada historia!
Detestam portugueses mas eles tem um manuel na propria casa e muitas vezes fazem mais "portuguesada" que muito portugues hauhuahauhauahauauha

Nathy Roncada disse...

Ahh Marcela o pq de insistir com o Carlos era coisa da minha avó(bisa da krol). Ela tinha um tio que ela adorava e morreu muito jovem (19A)e em homenagem era pra ser vitorio carlos e não manuel ela de birra ficou chamando ele de carlos O.o!
(só tem louco naquela familia, por isso sou assim)